13 12 18

O Juiz Fábio Francisco Esteves tomou posse nesta quarta-feira (12/12) como presidente da Associação dos Magistrados do Distrito Federal e Territórios (Amagis-DF), para o biênio 2019/2020.  O Magistrado presidirá a entidade pela segunda vez consecutiva.
Na sessão solene, realizada no auditório Sepúlveda Pertente do TJDFT, além do presidente também foram empossados: Juíza Marília Garcia Guedes – 1º Vice-Presidente; Juiz Carlos Divino Vieira Rodrigues – 2º Vice-Presidente; Juíza Gabriela Jardon Guimarães De Faria – Secretária-Geral; Juiz Edilson Enedino Das Chagas – Diretor Financeiro; Juíza Keila Cristina de Lima Alencar Ribeiro – Diretora Social e Cultural; Juiz Joel Rodrigues Chaves Neto – Diretor de Esportes e Lazer; Juíza Ana Beatriz Brusco – Diretora de Comunicação Social; Juíza Eutália Maciel Coutinho – Diretora de Apoio aos Aposentados e Pensionistas.
Já para o Conselho Fiscal tomaram posse os seguintes membros: Desembargador Arnoldo Camanho de Assis - Titular; Juíza Josélia Lehner Freitas Fajardo - Titular; Juiz Lucas Sales da Costa - Titular; Juiz Guilherme Marra Toledo - Titular; Juiz Ricardo Norio Daitoku – Titular; Juíza Caroline Santos Lima - Suplente; Juíza Thaissa de Moura Guimaraes - Suplente.
Eles foram eleitos no dia 23 de novembro, com votação realizada por meio presencial, na Secretaria da Amagis-DF e por voto eletrônico, através do site do TJDFT.
Ministros, desembargadores, juízes, membros do Ministério Público, advogados, servidores, familiares e amigos dos empossados prestigiaram o evento.
Compuseram a mesa de honra do evento o Ministro do Superior Tribunal de Justiça, Reynado Fonseca, o Presidente da OAB/DF, Juliano Costa Souto, o Presidente da AMPDFT, Elísio Teixeira, o presidente da Comissão Eleitoral da Amagis-DF, Desembargador Sandoval Gomes de Oliveira e a Vice-Presidente Administrativa da AMB, Juíza Maria Isabel da Silva.
Ao fazer uso da palavra, a Juíza Maria Isabel da Silva, Vice-Presidente Administrativa da AMB, destacou a parceira da entidade nacional com a Amagis-DF. “Fábio tem contribuído muito nos trabalhos da AMB, nas reuniões do Conselho Administrativo, sua voz tem sido ouvida e ele tem sido um grande parceiro”, a magistrada declarou ainda votos de uma boa gestão, “mais uma vez nós confiamos à Associação dos Magistrados do Distrito Federal em suas mãos. Que tenha uma administração profícua”, finalizou.
Em sua participação, o Ministro Reynaldo Fonseca enfatizou a alegria em participar da solenidade. “A satisfação é ainda maior em presenciar a reeleição do grande Juiz Fábio, que tem além de uma atuação extraordinária na magistratura, uma atuação efetiva dentro do tecido social, na construção de uma sociedade que se diz solidária, livre e justa”, declarou o magistrado.
Após ser empossado pelo Desembargador Sandoval Gomes de Oliveira, o Juiz Fábio Francisco Esteves ressaltou, durante o seu discurso de posse, sua gratidão a Deus, seus amigos, colegas de carreira, familiares, e à sua heroína Rosa Vilma Francisco Esteves.
O presidente reeleito afirmou sua realização á frente da entidade. “Representar a magistratura do Distrito Federal marca minha história para todo sempre, de uma forma que eu jamais, ainda que em tempos memoriais, terei condição de deixar presente”, reforçando também o compromisso com a magistratura e sociedade, “eu não podia permanecer apenas julgando processos, não podia vilipendiar a minha consciência e deixar de ir lá fora e, convidei a magistratura do DF a fazer isso comigo. Convidei a Amagis a seguir em frente, ir além. Acho que deu certo. Hoje nós temos uma projeção que comunica com a sociedade de uma forma mais efetiva, transparente, franca”. Afirmou o magistrado, que remerceou a oportunidade de continuar sua gestão na associação. “Agradeço a possibilidade de nos próximos dois anos avançarmos sim nas questões corporativas, avançarmos sim uma magistratura forte, unida, independente, mas também avançarmos muito em uma magistratura que se coloca no lugar do outro sem lhe roubar este lugar, uma magistratura que estar sensível e ao mesmo tempo em condição de entregar aquilo que esta no artigo 3º da nossa Constituição: liberdade, solidariedade e justiça”, concluiu.